Bem-vindo!

Blog Damásio

Compartilhar

Concurso Caixa: secretário do Ministério da Economia afirma que Caixa não será privatizada

De acordo com o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Rodrigo Salim, relatou que a Caixa Econômica Federal não será privatizada durante o governo de Jair Bolsonaro. Além da CEF, o secretário destacou que as outras estatais que não devem ser vendidas a iniciativa privada são o Banco do Brasil e a Petrobrás. Deste modo, para os candidatos interessados em ingressar no banco por meio do concurso Caixa podem ficar mais tranquilos.

Conforme com o secretário do Ministério da Economia, eventuais discordâncias que haviam no governo em termos de privatizações não existem mais. “Há alinhamentos entre os ministros”, disse. Ainda segundo ele, alguns órgãos já estão confirmados e deverão ser privatizados, incluindo Correios, Casa da Moeda e Eletrobrás.

Concurso Caixa – veja o quadro de servidores da CEF

Em 9 de janeiro, o governo publicou uma norma em diário oficial que limita em 90 mil o número de funcionários do conglomerado formado pela Caixa Econômica Federal, incluindo a Caixa Participações e Caixa Seguridade.

Na prática, a determinação não influencia muito no atual quadro, tendo em vista que no terceiro trimestre de 2018, a Caixa publicou balanço apontando um total de 86,4 mil servidores, número menor que no ano anterior, quando, em setembro de 2017, contava com 87,8 mil.

Veja como foi o último concurso Caixa

No concurso Caixa de 2014, constou que a prova objetiva teve 120 itens, sendo 50 de conhecimentos básicos e 70 de conhecimentos específicos. Em conhecimentos básicos foram 14 de língua portuguesa, com peso dois, e 36 sobre matemática, raciocínio lógico, atualidades, ética e legislação específica, com peso um. Conhecimentos específicos contou com peso dois. Os candidatos também foram submetidos a uma prova discursiva de conhecimentos específicos, com peso um.  

Convocação das vagas remanescentes do último concurso Caixa

Em relação a um novo concurso Caixa, a instituição segue em processo de convocação de remanescentes da última seleção, realizada em 2014, em decorrência de decisão judicial. A última informação, nesse sentido, diz respeito a uma nova convocação de mais 800 servidores, anunciada recentemente pelo presidente do banco, Pedro Guimarães.

A expectativa é de que sejam chamados 2.500 novos servidores, de acordo com declaração anterior do presidente da CEF, em janeiro. O objetivo das contratações é fortalecer a rede de agências, valorizando o atendimento aos clientes e sociedade.

Em 3 de junho haviam sido convocados 320 remanescentes, em todo o país, para exames admissionais e comprovação de requisitos.

De qualquer forma, no início do ano, quando anunciada a possibilidade das contratações, o presidente da Federação Nacional das Associações de Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Jair Pedro Ferreira, já havia afirmado que a retomada das contratações é positiva, mas não resolve. “Os empregados estão cada vez mais sobrecarregados e adoecidos a cada dia. Não adianta chamar 2.500 concursados e forçar a saída de 5 mil, 10 mil trabalhadores com plano de demissão e aposentadoria”, disse “É preciso reforçar o quadro de pessoal”.

A não convocação dos aprovados no concurso público realizado pela Caixa em 2014 foi alvo de Ação Civil Pública ingressada pelo Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal e em Tocantins. No dia 6 e outubro de 2016, veio a vitória em primeira instância. Na decisão, a juíza Natália Queiroz, da 6ª Vara do Trabalho de Brasília, postergou a validade do certame até o trânsito em julgado da ação.

De acordo com dados da Federação, em 2014 a instituição fechou o ano com 101 mil funcionários. A direção do banco se comprometeu a contratar mais 2 mil servidores. Porém, ainda segundo a Fenae, desde então 16 mil pessoas deixaram o quadro de pessoal do banco, principalmente por meio de planos de desligamento.

As nomeações deverão ocorrer em paralelo a um Programa de Demissões Voluntárias (PDV) iniciado em 20 de maio, com adesão até 7 de junho, com o objetivo de desligar até 3.500 servidores.

Possibilidades de um novo concurso Caixa

Após a convocação dos aprovados de último concurso, não há expectativa concreta para a realização de um novo processo de seleção na Caixa Econômica Federal (CEF). Apesar de sindicatos apontarem o quadro reduzido de servidores para o cargo de técnico bancário, os órgãos federais aguardam definições sobre as novas políticas do governo, para a solicitação de um novo pedido, no qual o Ministro da Economia Paulo Guedes, têm reforçado uma possível recessão dos concursos até que seja realizado a informatização para uma visão mais atualizada sobre as estatais.

Gostou do conteúdo? Ficou interessado em algum concurso para 2019? Então fique de olho na abertura dos editais para concurso público  e continue acompanhando nossas notícias para se manter informado.

Gostaria de saber mais sobre nossos cursos?

Li e concordo com a política de privacidade, bem como com o tratamento dos meus dados para a finalidade prevista neste formulário. Ao continuar, você aceita que a DAMÁSIO e demais instituições de ensino do mesmo Grupo Econômico entrem em contato.