Bem-vindo!

Blog Damásio

Compartilhar

Reforma administrativa: saiba quais são os cargos que não devem ter contratações temporárias

Neste terça-feira (3), os funcionários determinados para a elaboração da reforma administrativa do governo federal enviaram ao ministro da Economia, Paulo Guedes, as suas principais características e contornos. Diante deste cenário, com o seu respectivo projeto de lei,  que deve ser enviado para as casas legislativas nos próximos meses, terá a tendência de reformular o processo de realização dos concursos públicos federais.

Conforme a publicação do jornal Folha de São Paulo, o grupo já conta com aval do ministro Guedes para as ideias apresentadas. A medida que está consenso da reforma administrativa é a criação de um contrato de trabalho para servidores por tempo indeterminado, sem previsão de estabilidade no cargo. Além disso, está esperado a ampliação das contratações em caráter temporário.

Outras modificações que estão na pauta da reforma administrativa são a redução do número de carreiras do Executivo de 117 para aproximadamente 30, alterações nas tabelas de remuneração para que fiquem mais próximas ao setor privado, reestruturação das progressões para que o servidor somente atinja o teto salarial em final de carreira, extinguir a progressão automática por tempo de serviço e maior rigor na fase de estágio probatório.

Todavia, segundo o secretário especial adjunto de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Gleisson Rubin, para algumas carreiras não deve haver alterações em termos de estabilidade, que deverá ser concedida “apenas a carreiras consideradas sensíveis ou sujeitas a pressões, como auditores fiscais, auditores do trabalho e diplomatas. Funções de caráter instrumental e administrativo perderiam esse direito (de estabilidade garantida)”.

Outra carreira que não deve contar com mudanças de estabilidade ou contratações em caráter temporário é a de diplomata do Instituto Rio Branco. A seleção ocorre anualmente, com oferta de 20 a 30 vagas. A carreira exige formação de nível superior, com iniciais de R$ 19.199,06.

Para a Receita Federal, um novo pedido tramita no Ministério da Economia, para o preenchimento de 2.153 postos, sendo 1.453 para analista tributário e 700 para auditor-fiscal, ambas carreiras com exigência de nível superior. Recentemente, o Secretário de Gestão de Pessoas do Ministério da Economia, Wagner Lenhart, afirmou que a seleção da Receita é prioridade do governo e que a concentração de servidores ocorrerá “em casos excepcionais”. As carreiras contam com iniciais de R$ 21.029.092 para analista e R$ 11.684,39 para auditor fiscal.

Também não devem contar com possibilidade de contratações temporárias e mudanças nas condições de estabilidade as carreiras da área de segurança pública. Neste caso, atualmente já existe projeção de novos concursos públicos em pauta tanto para a Polícia Federal (PF), quanto para a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Para a PF, já tramita no Ministério da Economia um pedido de autorização para o preenchimento de 3.460 vagas, com opções para cargos de níveis médio e superior, com remunerações que podem chegar a R$ 22.672,48, no caso de delegado. Para a PRF, a expectativa é de preencher 4.435 vagas, sendo 4.360 para o cargo de policial rodoviário e 75 para a área administrativa, para quem possui ensino médio. No caso de policial, o inicial é de R$ 10.357,88.

Lei regulamenta contratos temporários

Atualmente, a realização de concurso federal para contratação de pessoal em caráter temporário é regida pela lei 8745, de 1993. O texto dispões sobre contratações por tempo determinado para atender necessidades temporárias de excepcional interesse público.

De acordo com o documento, a administração federal direta, autarquias e fundações públicas podem contratar pessoal por tempo determinado para excepcional interesse público em casos de assistência a situações de calamidade pública, assistência a emergências em saúde pública, realização de recenseamentos e outras pesquisas de natureza estatística efetuadas pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), admissão de professor substituto e professor visitantes, admissão de professor e pesquisador visitante estrangeiro e atividades especiais nas organizações das Forças Armadas para atender a área industrial ou encargos temporários de obras e serviços de engenharia, de identificação e demarcação territorial, atividades finalísticas do Hospital das Forças Armadas, pesquisa e desenvolvimento de produtos destinados à segurança de sistemas de informações e desenvolvimento no âmbito do Sistema de Vigilância da Amazônia, entre outras atividades específicas. Os contratos temporários, de acordo com a lei, dependendo de cada situação específica, poderão ocorrer em prazos variáveis que vão de seis meses a seis anos.

Regulamentação de contratos temporários

Um primeiro passo no sentido de realização de concurso federal em caráter temporário pode ser notada em 27 de agosto, quando o governo publicou as instruções normativas 1 e 2, assinadas, respectivamente, pelo secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. A instrução 2 trata das normas necessárias para autorização e realização de concursos públicos para efetivos, enquanto a instrução normativa 1 determina as condições para a realizações de processos seletivos para contratações temporárias. De acordo com especialistas, a medida pode ser vista com um prenúncio das mudanças que poderão ser apresentadas no projeto de lei da reforma administrativa.

Conheça nossos cursos

Gostaria de saber mais sobre nossos cursos?

Li e Aceito a Política de Privacidade